Adormecida

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Adormecida

Adormecida em meus braços
a flor do sono aberta na face
estrelas contas acordadas no teu corpo
cavalos galoparam a planície do abandono
e atravessaram em arrepios o teu cansaço
e a beleza ardeu lentamente
e os cabelos pairaram como nuvens acima do bem e do mal
e tuas mãos pendidas e perdidas num outro mar
ficaram como aves noturnas despercebidas
do esvair-se da vida.

from Cidade Submersa (Editora Movimento: Porto Alegre, 1979).

Share this Poem with your co-workers or friends