A cada dia

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

A cada dia

Vamos morrendo um pouco a cada dia,
mas a cada dia vamos vivendo um pouco mais,
e o nosso sangue a bater em nossas veias
é um mar primordial que se derrama na praia
e nos alimenta com seus sons e seus sais.

Quando caminho na estrada ou quando amo,
sinto o meu coração bater forte no peito,
como um pássaro no ninho, ou um rio no leito,
feito um mar de vinho ou de leite.

Não me importa morrer dessa maneira,
pensando que a vida vale a sempre a pena,
vivendo em cada minuto a vida inteira,
vivendo a vida inteira em cada minuto.

Viver a vida num ritmo absoluto,
sabendo que a vida é alegria e luto.

Vivendo sabendo que a visa se esvai
faz de cada um de nós um ser especial,
e não importa se de noite um corvo
na nossa sala nos diz nunca mais.

Vamos morrendo um pouco a cada dia,
mas a cada dia vamos vivendo um pouco mais.

from Em Mãos III (Ed L&PM: Porto Alegre, 2012).

Share this Poem with your co-workers or friends