Chuva antiga nº 2

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Chuva antiga nº 2

Guardo o limite do sono e do cansaço.
os espelhos interrogativos aguardam
outras imagens de rosas maceradas
em teu corpo adormecido.
Vozes calam reticências e apelos.
Por trás da vidraça é outra chuva a cair.
O navio negro sobe o rio que deságua
no meu peito e seu apito apunhala
as acácias e os girassóis.
Em reflexões estéticas vou perdido
enquanto teu corpo gira ao sol
escondido por detrás das nuvens e a chuva
ensaia no telhado sua patética melodia.

from Cidade Submersa (Ed. Movimento: Porto Alegre, 1979).

Share this Poem with your co-workers or friends