Cidade estranha

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Cidade estranha

Caminho pelas ruas
da cidade
e a tristeza
escala os muros
das velhas mansões.

Por trás das árvores
uma lua bêbada
sorri.

Entro num cinema
para ver gente:
está vazio.

Aos poucos se enche o cinema
com todos
os meus antigos fantasmas.

from Cidade Submersa (Ed. Movimento: Porto Alegre, 1979).

Share this Poem with your co-workers or friends