Deixa-me conduzir

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Deixa-me conduzir

Nada como te encontrar, poesia,
quando a linguagem dos homens parece baça,
e qualquer palavra me agride.
Eu, que não conheço os teus refúgios e sou
dos poetas da urbe o mais humilde,
repentinamente te encontro no ônibus,
ou caminhando sozinho em meio à multidão,
e tu me refrigeras a alma com teu canto,
a ponto de eu não merecer-te.
E sempre tens para mim uma palavra de carinho
como se eu fosse o teu menino.
Esqueço toda agressão sofrida
e deixo-me conduzir pelos teus caminhos,
tal um cego segue um cachorrinho.

from Piano Arcano (Ed. Alcance: Porto Alegre, 1999).

Share this Poem with your co-workers or friends