Esperança

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Esperança

Na solidão esperavas.
O fluxo do mar batia em teu peito,
enchia teus olhos de amarugem,
as mãos de algas, os seios de anêmonas.
Envolta no silêncio povoado de frêmitos e sombras,
na solidão habitada por sonhos, vozes e poemas,
esperavas a volta do veleiro que partira
levando nas velas o tempo e a esperança,
os castelos construídos de areia.

from Cidade Submersa (Ed. Movimento: Porto alegre, 1979).

Share this Poem with your co-workers or friends