Tomo café

This reading was recorded by Alessandro Mistrorigo for Phonodia in Perugia, Italy, on the 2nd of Dicember, 2013.

Read by José Eduardo Degrazia on 2 December 2013

Tomo café

Entre restos da última
refeição e xícaras sujas,
aqueço o café para a longa
espera dentro da noite.
Talvez alguém sinta
o homem a esvair-se
e bata alucinadamente à porta,
uma chuva caia repentina.
Provavelmente alguém estará rezando.
Algumas pessoas mostrarão indiferentes
mais um dia passado no calendário.
Abrirei a porta e a janela
para que os fantasmas entrem na sala.
----------------O café esfria.
----------------Quem me fará companhia?

from Cidade Submersa (Ed. Movimento: Porto Alegre, 1979).

Share this Poem with your co-workers or friends