1979

Cidade estranha

Caminho pelas ruas
da cidade
e a tristeza
escala os muros
das velhas mansões.

Por trás das árvores
uma lua bêbada
sorri.

Entro num cinema
para ver gente:
está vazio.

Aos poucos se enche o cinema
com todos
os meus antigos fantasmas.

Chuva antiga nº 2

Guardo o limite do sono e do cansaço.
os espelhos interrogativos aguardam
outras imagens de rosas maceradas
em teu corpo adormecido.
Vozes calam reticências e apelos.
Por trás da vidraça é outra chuva a cair.
O navio negro sobe o rio que deságua
no meu peito e seu apito apunhala
as acácias e os girassóis.
Em reflexões estéticas vou perdido
enquanto teu corpo gira ao sol
escondido por detrás das nuvens e a chuva
ensaia no telhado sua patética melodia.

Chuva antiga

A chuva escreve
hieroglifos
na janela do ônibus.
Cada pingo
traça um sonho
cada sonho respinga
uma saudade
e desenha um rosto
na paisagem
que passa.
A chuva termina
o sonho acaba
e o ônibus vai embora
sem se importar
com teu rosto
e com meu sonho.

Adormecida

Adormecida em meus braços
a flor do sono aberta na face
estrelas contas acordadas no teu corpo
cavalos galoparam a planície do abandono
e atravessaram em arrepios o teu cansaço
e a beleza ardeu lentamente
e os cabelos pairaram como nuvens acima do bem e do mal
e tuas mãos pendidas e perdidas num outro mar
ficaram como aves noturnas despercebidas
do esvair-se da vida.

Silêncio

Não penses que este silêncio
é simples ausência de vozes,

há o espanto da flor nascendo
abismo de pássaro noturno

riscando o espelho furtivo da memória.
(O silêncio é semente de algo mais antigo.)

No silêncio a vivência adelgaça
uma realidade de fruto.

Não penses que este silêncio
é simples ausência de vozes.

Solidário

Homens simples, operários,
pequenos burgueses
caixeiros, meninas pálidas de subúrbio,
que certeza carregais nos braços
que vos faz caminhar
sempre o mesmo caminho
para o trabalho, para o instante
em que sozinhos olhareis
a mesa vazia, a cama vazia?

A rua é sempre movimento.
É chuva. Sal. Odor. Suor.
Nela me perco e me encontro,
Solidário com os demais
que caminhamos sem saber
para onde.